Skip to content

MOD

02/10/2010

     Destino: Londres.

    Baby Boom, Pós-Guerra. Mundo Jovem, um contraste gritante com o antigo da Inglaterra. Eis que surge o Mod. Uma abreviação um tanto quanto direta do Modernismo, do Moderno. Uma subcultura. Auge? Década de 60.

   Previamente apresentados, mergulhemos…

   Anos 60 à caminho. Como já introduzido, o Baby Boom explode, como o próprio nome faz referência. Estamos falando, é claro, de um momento pós-guerra. Uma geração pós-guerra. Infestamento de jovens insatisfeitos com aos hábitos velhos que os cercavam na Inglaterra. Tranformações demográficas imprevisíveis. Jovens e jovens, os quais não precisam mais se auto-sustentar 100%. Traduzindo, podiam se esbaldar gastando com moda. Eis que surge o movimento MOD.

                         

  Princípio, surgem os Teddy boys, classificados como o primeiro grupo de jovens a assumir um estilo próprio. Topetes pomposos, usavam trajes eduardianos, Rock and Roll com sutaque Britânico.Moda, a moda influênciando os homens, e os Teddy Boys/Mods, influênciando a moda, OBCECADOS por moda. A influência do som Rhythm and blues(R&B) faz-se anunciar uma divisão. Os Rockers(rebeldes) de um lado, e os Mods(chics) do outro.

                            

     Rockers, partem para o Rock mais pesado. Os violentos, os rebeldes da década de 50. Motocicletas, jaquetas de couro, e cigarros mentolados!

    Mas, voltemos ao foco MOD. Esta subcultura teve início em turmas de garotos adolescentes cujas famílias eram ligadas ao comércio de tecidos em Londres. Apaixonados por Jazz, aderindo também o soul (particularmente da Motown), o ska jamaicano e o bluebeat(versão inglesa do ritmo jamaicano). Os cabelos impecáveis.Nada de motocicletas, se transportavam tipicamente sob scooters, normalmente das marcas Lambretta ou Vespa, com as quais, iam até os Pubs londrinos como o Goldhawk e o Marquee Club, para exibirem suas roupas e passos de dança. Ternos Italianos, elegância pura. Sapatos bicolores, camisetas abotoadas até a garganta, e gravatas finíssimas. Roupas impecáveis, podiam gastar com roupas enfim. Franjas. Estilo modernista. Pela primeira vez, a moda focaliza os jovens, ampliando a massa consumidora. Estes foram os anos “do último grito da moda” – o início de escravidão de garotas para com a moda.

   Eles estudavam, saíam a noite, adquiriam conhecimento e encontravam respostas as suas respectivas dúvidas existênciais, e depois se esbaldavam capitalizando roupas e roupas, discos e discos, e claro, a anfetamina, vulgo Purple Hearts. Com tais, dançavam a noite inteira sem perder a pose e o estilo. E depois… Back to home with Scooters.

                       

     Garotas Mod, look andrógeno. Pouquíssimo make-up, as vezes cílios postiços. Cabelos curtos, curtos, e as franjinhas. Uma imagem ligada a música. Sapatos baixos, as roupas dos namorados. Estas mesmas garotas inspiraram a criação, e ao mesmo tempo foram as primeiras adeptas as minissaias de Mary Quant(“chega da alta costura de Paris, farei do meu jeito.”, anos 60). Cabelos tão curtos, quanto as saias que usam, revolução sexual. Anticoncepcionais. As Mulheres enfim, estavam se emancipando.

          

     Ninguém entendia o Mod, uma filosofia de vida! O jazz, o JAZZ! Ternos Italianos impecáveis.

   Agora mudemos o foco, vamos a música.

                                     

   Mais um eis.Eis que surgem novas bandas influênciadas por todos estes gostos, o Jazz, o Blues, e uma mistura de tudo já citado anteriormente.Uma verdadeira disputa de Hits assinala esta época.The Who, Small Faces, e The yardbirds.Qualquer semelhança com os Beatles dos primeiros anos, não é mera coincidência.Naqueles tempos, se Beatles não eram Mods, ao menos se vestiam como tais.Cabelos gráficos.Um colorido pontuado.

                         

…descrição da efervescência cultural e o modernismo de costumes da cidade de Londres, e dali para o Mundo. Este termo, Swinging”, traduzindo-se como descolado e moderno, foi proposto pela poderosa editora-chefe (Diana Vreeland) da maior revista de moda do mundo, Vogue, para definir a vida e os costumes da cidade.  Mudava-se o conceito das revistas.Nada de chic e sofisticado.O Chic tornou-se ser POP.

  Com seu centro nervoso londrino, chega ao mundo os mais importantes nomes da música, cinema, artes plásticas e teatrais, moda e comportamento. Beatles, seguidos pelos Rolling Stones, The Who, The Kings, o surgimento dos Pink Floyd, e cantoras como Lulu, que de lá ganharam os EUA e o mundo, no que ficou conhecido como a Invasão Britânica.

    Enfim, Twiggy. Posando de maneira inédita olhando para a câmera.Suas pernas longas, sua magerricidade, seus cabelos louros e curtíssimos.Seus olhos.Ah, seus cílios.

                                        The Queen of mod.

                       

      Mod, começou em Londres e ganhou o mundo nos anos 1960. Agora, volta a influenciar a moda com suas cores fortes e shapes futuristas.

                                  Modernize-se!

    Próximo mergulho, afundaremos no Hippie. Peace and Love!

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: